O que é narrativa visual de histórias em quadrinhos?

o que é narrativa visual

Neste texto vou introduzir o assunto narrativa visual de histórias em quadrinhos e mostrar uma forma rápida de avaliar se suas páginas de HQ tem uma boa narrativa na hora de montar uma cena.

O que é narrativa visual de histórias em quadrinhos? Para responder a essa pergunta vou começar explicando sobre a primeira das duas palavras, a “narrativa”.

Segundo o site Significados:

Narrativa é uma exposição de fatos, uma narração, um conto ou uma história. As narrativas são expressas por diversas linguagens: pela palavra (linguagem verbal: oral e escrita), pela imagem (linguagem visual), pela representação (linguagem teatral) etc.

No caso do nosso tema, narrativa visual, estamos falando sobre o uso das imagens para expressar a narrativa.

Alguns dos elementos importantes de uma narrativa são os seguintes:

  • o que;
  • quando;
  • onde;
  • com quem;
  • por que;
  • como;
  • e qual o resultado (consequência).

Ou seja, para verificar se sua narrativa está bem estruturada tente responder à essas perguntas.

  • O que acontece na sua história?
  • Quando acontece?
  • Onde acontece?
  • Com quem acontece?
  • Por que acontece?
  • Como acontece?
  • E qual a consequência do que acontece?

Isso já é o suficiente para você começar montar o enredo da sua história. Mas e a narrativa visual de histórias em quadrinhos nisso tudo?

Bem, para contar sua história com uma sequencia de imagens e textos (ou uma história em quadrinhos) existem algumas ferramentas importantes.

É preciso conhecer essas ferramentas e trabalhar com elas em conjunto para transmitir as emoções corretas, a sensação de passagem de tempo correta, para representar uma noção de espaço e etc.

Eu considero entender de narrativa visual muito mais importante do que ser um bom desenhista na hora de fazer histórias em quadrinhos.

Avaliando sua narrativa visual de histórias em quadrinhos

Não vou falar sobre as ferramentas da narrativa visual neste texto, já abordei algumas delas aqui no blog e com os vídeos no meu canal do Youtube.

Neste texto vou mostrar uma forma rápida de avaliar sua narrativa visual.

Para avaliar se sua composição de páginas de quadrinhos está com uma boa narrativa visual, vamos responder algumas perguntas parecidas com as que fizemos anteriormente.

Imagine que você quer montar uma cena narrando uma parte da sua história, você consegue responder essas perguntas?

  • Dá pra saber o que está acontecendo na cena?
  • Onde a cena está acontecendo?
  • Quem está envolvido na cena?
  • Como a cena está se desenvolvendo?
  • Quanto tempo esta cena levou para acontecer?
  • Qual a consequência das ações dessa cena?

Se você conseguir responder estas perguntas, já pode dizer que a cena está com uma boa estrutura. Agora se você fizer estas mesmas perguntas para um leitor e ele conseguir responder sem problemas, quer dizer que sua cena está com uma boa narrativa visual de histórias em quadrinhos.

Isto tudo é só a introdução do estudo de narrativa visual de quadrinhos. Existe muito o que se aprender.

As ferramentas que falei anteriormente são essenciais e cada uma delas tem um motivo para funcionar e passar a sensação certa para o leitor.

Enquanto não falamos sobre elas, faça a avaliação das suas páginas e cenas e veja se consegue responder às perguntas acima.

Aguardo seu comentário sobre o que achou desse método de avaliação de narrativa visual e aproveite para me falar o que mais você quer saber sobre o assunto.

Até a próxima!

3 erros que cometi criando histórias em quadrinhos

Quero compartilhar com você os 3 erros que cometi criando histórias em quadrinhos. Não são os únicos, mas são alguns dos principais.

Uma das melhores maneiras de aprender é errando. Você tenta algo e descobre que aquilo não dá certo. Esse aprendizado vem com experiência, sendo ela sua ou de outra pessoa.

Esse texto vai servir para que você possa aprender com os meus erros. Então vamos lá.

1. Começar criando séries de histórias em quadrinhos

Nós somos fãs de séries famosas. Adoramos os personagens e suas muitas aventuras. Por isso queremos criar nossos próprios personagens e sua saga enorme com muitos personagens coadjuvantes.

Esse é um erro que cometi muitas vezes. Logo quando comecei a publicar quadrinhos online por volta de 1999. Criei uma série, mas acabei descontinuando.

Em seguida criei outra que chegou a ter mais capítulos. Publicando online, consegui um certo sucesso recebendo feedbacks positivos (na época apenas por email, não haviam redes sociais ainda) e um certo grupo de fãs. Acabei descontinuando a série mais uma vez.

Por fim, minha maior série começou a ser publicada online. Nessa cheguei longe, com mais de 120 páginas e 11 capítulos. Essa certamente foi a que tive mais sucesso e foi publicada em diversos sites, mas mesmo assim, acabou sendo descontinuada.

1.1. E por que isso acontece?

Primeiro porque uma série longa exige muita dedicação e um grande investimento de tempo. Então o comprometimento precisa ser muito maior.

É comum perdermos o interesse em uma história tão longa, querendo desenvolver novas ideias e colocar no papel nossos novos personagens.

Por isso, quem está começando a criar histórias em quadrinhos precisa começar com histórias curtas. Podem ser todas do mesmo universo ou personagens, mas precisam ser histórias com um começo, meio e fim. De preferência com poucas páginas.

Isso vai servir para ajudar a desenvolver a habilidade do autor com a narrativa gráfica dos quadrinhos. Vai melhorar sua habilidade de escrever histórias que fazem sentido, que começam e terminam.

Nenhum diretor de cinema iniciante vai estrear com um longa metragem.

Focar em histórias curtas será sempre um bom caminho para melhorar o trabalho do quadrinista, fazendo com que ele ganhe experiência e aprenda os atalhos para boas histórias.

Quando sentir que está pronto para se comprometer com uma série, comece com mini-séries em três capítulos. Somente depois passe para séries maiores.

Essa dica vai ajudá-lo a publicar mais histórias prontas que podem ser mais prazerosas de ler para quem ainda não conhece seu trabalho.

2. Não planejar a história antes de sair desenhando

Nada melhor do que pensar em uma história e sair desenhando as páginas para vê-la pronta o quanto antes.

O problema é que essa atitude pode causar arrependimento no futuro.

Várias vezes cometi esse erro, principalmente por começar meus primeiros quadrinhos diretamente como séries e sair criando a história da cabeça página a página, só tendo uma vaga ideia do que iria acontecer no futuro.

Sem saber para onde a história vai,  o autor pode se arrepender de ter desenhado o personagem de um jeito ou até de ter adicionado um acontecimento que não faz mais sentido para a história lá na segunda ou terceira página. Agora que está desenhando a décima página já gostaria que a história tivesse começado diferente.

Em um dos capítulos da minha última série, Tailer, acabei inserindo uma cena dentro de um navio cargueiro (imagem ao lado) porque achei interessante que a base dos inimigos fosse em alto-mar.

O problema é que essa cena aconteceu cedo demais na história. Ainda não era o melhor momento para apresentar alguma dica de quem eram os inimigos dos protagonistas.

Alguns capítulos passaram e a base não foi mais mencionada. Uma falha de planejamento da história.

Por isso pensar o roteiro, escrever e desenhar os rascunhos das páginas para marcar o layout são passos importantes antes de começar a desenhar a história.

3. Não pensar nos personagens como pessoas

Criar personagens interessantes é uma das partes legais de se criar histórias em quadrinhos.

Mas as vezes nos apegamos muito no que queremos que o personagem seja, num modelo de pessoa ideal. Só que pessoas não seguem modelos ideais.

O leitor precisa se identificar com os personagens que está lendo e fica muito difícil isso acontecer se ele é um ser humano ideal, cheio de virtudes e sem nenhuma falha de caráter.

Um personagem “perfeito” deixa a história chata. Para ser interessante é preciso que o personagem tenha falhas e cometa erros.

Os meus protagonistas costumavam ser exatamente como eu gostaria de ser na época. Só que analisando hoje de forma fria, vejo que eram personagens sem graça e superpoderosos demais.

personagens de histórias em quadrinhos

Quem acabava salvando a história eram alguns personagens coadjuvantes, como o Professor Wu (imagem ao lado) da minha antiga série Tailer. Ele era um personagem divertido e cheio de falhas de caráter, mas que falava o que era preciso de vez em quando.

Conclusão

Como já mencionei, são alguns dos principais erros que cometi ao criar histórias em quadrinhos durante os primeiros anos de publicações independentes na internet.

Agora que você já conhece alguns desses erros, me diga se esse texto lhe ajudou de alguma forma nos comentários. Estou ansioso para saber.

Até a próxima!

Obs: O livro Como criar HQs está disponível para download. Clique aqui!

Narrativa de Quadrinhos – Ângulos de Enquadramento

Esse vídeo foi enviado ontém com exclusividade para minha lista VIP de emails. Se quiser receber os vídeos (e muito mais) com exclusividade inscreva-se clicando aqui e seja VIP!

Acabei de publicar mais um vídeo no meu canal no Youtube! O vídeo é mais um sobre Narrativa de Quadrinhos, dessa vez falando de Ângulos de Enquadramento.

O vídeo anterior no canal falava sobre Planos de Enquadramento, então esse vem para completar a introdução à esse aspecto da narrativa de quadrinhos que tem tanto em comum com o cinema que costumamos chamar de linguagem cinematográfica.

Preparei algumas ilustrações específicas para esse vídeo mostrando os ângulos utilizando um personagem fictício.

Deixa um comentário lá no vídeo me falando sua opinião e me dizendo o que mais você quer de conteúdo no canal sobre criação de quadrinhos!

Até a próxima!

Criando o visual de personagens

Já faz um tempo que venho preparando uma nova história, escrevi bastante sobre o mundo onde ela vai acontecer e agora chegou a hora de começar a criar o design de tudo. Comecei criando o visual de personagens.

Esses são os primeiros esboços e ideias de como os protagonistas da primeira história devem parecer.

Para acompanhar o desenvolvimento desses personagens e da história em geral, basta me seguir no Instagram ou no Facebook.

Na hora de pensar no visual do personagem não devemos focar só no que achamos que é legal ou que faria ela parecer maneira. Tudo que faz parte da aparência dela precisa ter um motivo.

Se seu personagem é rico, terá roupas melhores e acessórios que condizem com o status social. Se for uma pessoa religiosa, postura, cabelo, roupas e acessórios devem refletir a cultura dessa religião da personagem.

Se for mais humilde, pode ter roupas simples e talvez uma aparência um pouco mais desleixada. Entretanto pode ser humilde mas muito preocupada com sua aparência, o que pode fazê-la ter roupas simples, mas sempre limpas e bem arrumadas.

O cabelo e o rosto também refletem muito sobre a personalidade da personagem. Tudo tem que ser bem pensado para compor a aparência de cada um dos participantes da sua história.

Existe muito mais a se levar em conta quando criamos um character design para alguma de nossas histórias. Se quiser saber mais sobre esse assunto, dexe um comentário no post.

Até a próxima!

 

Criando uma história em quadrinhos – Passo 4: Desenhando as páginas

Chegamos ao final da série Criando uma História em Quadrinhos! Demorou para concluir esse projeto, mas ele finalmente chegou ao final.

Este é o último vídeo da série e mostra como desenhar as páginas da história em quadrinhos. Pra ver o vídeo anterior clique aqui.

Lembrando que em breve vou lançar o ebook Como criar uma história em quadrinhos e vou distribuí-lo gratuitamente para os membros da minha lista de emails.

Se você quer receber o ebook, se inscreva clicando aqui.

Deixe nos comentários sua opinião sobre a série e o que mais você quer ver nos vídeos.

Agora eu preciso do seu comentário para continuar criando mais conteúdo para você. Me diga o que mais você quer saber sobre quadrinhos e desenhos nos comentários.

Até a próxima.

Criando uma História em Quadrinhos – Parte 3: O Roteiro

Voltando com a série Criando uma História em Quadrinhos com o passo três, o roteiro.

Muita gente estava pedindo nos comentários dos vídeos anteriores que eu desse continuidade à série Criando uma História em Quadrinhos. Por isso aqui está o terceiro vídeo.

O roteiro é uma parte muito importante da criação de uma HQ. Existem diversas formas de criá-lo. Neste vídeo eu mostro algumas das formas que eu já usei ou ainda uso para criar meus quadrinhos.

Lembrando que em breve vou lançar o ebook Como criar uma história em quadrinhos e vou distribuí-lo gratuitamente para os membros da minha lista de emails.

Se você quer receber o ebook, se inscreva clicando aqui.

Deixe nos comentários sua opinião sobre a série de vídeos e o que mais você quer ver nos vídeos.

Até a próxima.

Criando uma HQ

Escrito no meu DeviantArt

Eu sempre fui grande amante de histórias em quadrinhos. Durante muitos anos eu publiquei webcomics e consegui satisfazer a vontade incrível que tenho de contar histórias através da nona arte. Entretanto, nos últimos anos eu não tive mais pique para manter webcomics ou criar qualquer tipo de HQ. Ou era a falta de tempo ou a falta de vontade de enfrentar a maratona que é criar uma história em quadrinhos. Seja a desculpa que for, agora não vou mais usá-la. Acredito que o tempo de descansar já passou, estou entrando novamente no ciclo que é criar quadrinhos.

Comecei com uma pequena ideia descrita em tópicos num aplicativo de notas do meu celular e agora já tenho todo o argumento escrito e ele, como sempre, ultrapassou minhas espectativas de tamanho e se tornou algo gigante, uma história mais complexa do que as ideias iniciais.

Ela se passa em um mundo “inventado”, então estou ansioso para começar a criá-lo visualmente. Vou desenhar os personagens, as roupas, os veículos, as cidades, as pessoas que nele vivem. E tudo isso me dá um prazer enorme, a criação me excita. E a possibilidade de ver a história pronta, sendo lida pelo público, também me empolga cada vez mais.

Já comecei algumas histórias antes e não dei continuidade por falta de motivação. Por isso desta vez espero ter encontrado dentro de mim a motivação correta para levá-la até a publicação, seja ela qual for! E é claro que por quem acompanha meu trabalho terá o gostinho de ver essa HQ se formando com o tempo.