Categorias
Crônicas

Retrospectiva 2016

Um resumo pessoal do ano que passou

Olhar para trás é sempre positivo. Nos ajuda a entender o que deu certo e o que deu errado em nossas vidas. É por isso que eu gosto de parar para fazer uma retrospectiva pessoal no final de cada ano.

Ah, 2016! Um ano que muitos falam que foi horrível, que só aconteceu coisa ruim e que só querem que acabe logo.

Não dá pra negar que muita coisa ruim aconteceu de um modo geral nesse ano que está acabando. Até me sinto mal dizendo que para mim foi um ano positivo.

Um ano de reconstrução pessoal. Um ano em que as coisas começaram a encaixar em seus devidos lugares. Um ano de autoconhecimento, mais uma vez, e com algumas dificuldades, mas nada comparado a tudo que aconteceu comigo em 2015.

Como tudo é uma questão de contexto, posso dizer que depois de 2015 vai ser difícil falar que um ano realmente me ensinou tanto através de acontecimentos não tão bons assim. Mas também aprendi muito com 2016.

Portanto, 2016 foi um bom ano sim… pelo menos para mim.

No trabalho consegui me estabilizar após o lançamento de dois produtos nos quais eu tive uma grande participação no desenvolvimento. O Diligeiro, lançado ainda na primeira metade do ano, e o SEUPROCESSO, lançado neste final de ano.

Com o primeiro eu aprendi muito no desenvolvimento de API Rest com Python, aprendi como trabalhar com GIS (Geolocalização) e também acabei me aventurando no desenvolvimento de webapp utilizando o AngularJS. Todos os três eram novidades para mim naquele momento, mas hoje, graças à essa experiência, eu posso dizer que consigo ter domínio em cada um deles.

Já com o SEUPROCESSO a coisa foi diferente. Trabalhamos em um ritmo muito intenso para transformar um sistema que já funcionava em uma API Rest e um webapp em tempo recorde. Fortaleci ainda mais os meus conhecimentos com esses dois, mas não foi um processo onde tive tempo para “aprender” mais.

Falando sobre o que aprendi, escrevi publicações sobre o desenvolvimento de APIs e sobre GIS com Django.

Aos poucos fui deixando de lado os trabalhos extras, os famosos freelas, para achar um tempo para a vida pessoal voltar à cena. Para isso, foi preciso organizar as contas de vez. Tarefa que ainda está em andamento…

Tenho certeza de que não sou o único que ainda está tentando organizar a vida financeira, infelizmente nosso país vem sofrendo com esse momento complicado da economia e da política. Então, não vou ficar reclamando sobre essa parte…

Como sobrou um pouco mais de tempo sem os freelas, comecei a estudar um pouco sobre outras coisas legais para fazer na minha área. E, mais ou menos na metade do ano, resolvi começar um desafio pessoal: fazer um chatbot.

Durante o ano li muito a respeito dos chatbots e quis criar um completo como aprendizado. Essa tarefa está quase concluída e já tem uma publicação quase pronta com o diário de desenvolvimento desse desafio… Pode ser que ela acabe publicada ainda esse ano por aqui.

Para finalizar, que tal lembrar do que não deu certo também?

Em uma meta eu falhei miseravelmente em 2016. Encontrar algo relacionado à atividade física que me prendesse de vez, como já aconteceu no passado com a arte marcial. Experimentei diversos tipos de atividades, mas infelizmente ainda não encontrei uma que tenha me conquistado pra valer.

Tenho a necessidade de melhorar minha saúde para que eu ainda possa escrever muitas retrospectivas no futuro. E sei que exercício físico é vital para isso. Portanto não vou desistir ainda.

Resumindo, 2016 foi ano de trabalhar muito e de ajustar a vida para que 2017 venha trazer os frutos desse trabalho e desse esforço para aparar as arestas.

Que venha o ano novo, estou pronto para você!

Publicado originalmente no Medium.

Por Marcus Beck

Sou quadrinista, desenvolvedor de software, marido da Lu e pai da Laura.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *