em Crônicas, Tecnologia

…ou Programador Rockstar ou Mago da Programação…


Este texto foi originalmente publicado no Medium. Leia a versão original clicando aqui e recomende se você gostar.


Alguns bons anos atrás, costumava ser cool ver uma vaga de emprego com a expressão “programador ninja” ou algo do gênero. Mostrava que a empresa era maneira, joinha e que tinha aquele ambiente de trabalho diferentão.


“Buscamos um programador ninja”

Hoje, a coisa é um pouco diferente. Quando vejo uma vaga que busca um programador ninja ou um mago da programação, eu já desconfio.

O problema não é a expressão em si, que hoje em dia é brega e não pinta mais a empresa como “diferentona”. O problema é que ela costuma vir com uma lista absurda de exigências…

O cidadão tem que comprovar anos de experiência em diversas linguagens de programação, tem que gostar de programar em seu horário livre (?!) e, às vezes, é um diferencial, se não obrigação, que o camarada tenha projetos paralelos.

Ou seja, o cara não tem que ser um programador… Ele tem que programar de tudo e o tempo todo. Se tiver vida pessoal, não serve para mago da programação.


O ninja-mago-rockstar da programação

Por algum motivo essas empresas acreditam que é preciso ser apaixonado pela programação para ser um bom profissional. E para demonstrar isso tem que ter aqueles projetos paralelos e, quem sabe, uns commits no seu Github nas madrugadas de sábado.

O que não percebem é que quem programa por prazer não necessariamente vai gostar de trabalhar no seu projeto de gestor administrativo ou de vendas. Hobbies que viram trabalho nem sempre são tão prazerosos. E isso não é tudo…


Nesta semana eu li um texto aqui no Medium chamado Programming Doesn’t Require Talent or Even Passion (Programar Não Exige Talento ou Mesmo Paixão). Eu recomendo a leitura para qualquer um que trabalhe na área.

Nele o autor fala que nunca antes uma habilidade foi tão mitificada como a programação.

“Você não precisa apenas ter talento, você também precisa ser apaixonado para se qualificar como um bom programador.”

É exatamente o que pedem nessas vagas de programador Rockstar dos dias de hoje.

Exemplo de uma vaga postada na lista Python Brasil
Exemplo de uma vaga postada na lista Python Brasil
No texto citado, o autor ainda traz uma série de grandes nomes da área, como os criadores dos frameworks Rails e Django e da linguagem PHP, por exemplo, que demonstram claramente não serem grandes amantes da programação e muito menos gênios da magia do desenvolvimento de software.

“Na verdade eu odeio programar, mas eu amo resolver problemas.” Tradução da citação de Rasmus Lerdorf, criador do PHP.

Eu trabalho nessa área há cerca de treze anos e não tenho receio em dizer que os melhores profissionais que encontrei não eram grandes magos dos códigos. O que realmente importa nessa área é a entrega. É conseguir resolver os problemas apresentados de forma objetiva e simples e, quase sempre, em um curtíssimo espaço de tempo.

Um bom profissional da programação não precisa ser um gênio, um monstro, um ninja, um hacker… ele precisa saber resolver problemas e ter a capacidade e humildade de aprender o que precisar para atingir esse objetivo.

Além disso, esse mito atrapalha todo mundo que está envolvido ou quer se envolver na área.

“O mito do ‘programador gênio’ é extremamente perigoso. Por um lado, ele deixa o limiar de entrada muito alto, assustando um monte de aspirantes a programador. Por outro lado, também assombra os que já são programadores, porque isso significa que se você não é um mago na programação, você é ruim… …Programação é só um monte de habilidades que podem ser aprendidas e não exigem muito talento, e não é vergonha nenhuma ser um programador mediano.” Tradução livre de parte da citação de Jacob Kaplan-Moss, criador do Django.

Eu consegui aprender a programar, e nem sequer gostava disso…

“Depois de muito tempo percebi que eu tinha ficado melhor em programar e continuava sempre ocupando vagas em empresas nessa área, entretanto, sempre querendo sair para ‘trabalhar com o que gosto’.”

Esse é um trecho de um texto que escrevi em 2014 falando sobre a minha relação conturbada com a programação. Eu passei anos procurando trabalhar em outra área, porque realmente não gostava de programar.

O que mudou isso em mim foi conhecer o Python. Passei a curtir a simplicidade e objetividade de escrever códigos com essa linguagem. Hoje eu gosto do que faço. De vez em quando eu até programo por diversão no meu horário livre.

Eu não consigo me enxergar como um bom programador, mas sei que consigo atender as expectativas de quem me contrata. Resolvo os problemas e faço as minhas entregas. E isso me deixa orgulhoso do meu trabalho.

Não somos ninjas, gênios ou magos, somos profissionais da área de desenvolvimento de software. É isso que temos que ser das 9h as 18h, ou em qualquer que seja seu horário de trabalho, o que fazemos fora disso diz respeito somente a nós mesmos.

Quer ter projetos paralelos? Ama programar? Ótimo.

Mas se você gosta de nadar, andar de bicicleta, jogar futebol, passear com seu cachorro, ficar com sua família ou dormir por horas e horas no seu tempo livre, você continua sendo um programador.

Não é isso que vai definir sua qualidade como profissional.


Pode ser também…

Deixe seu comentário