Sketchbooks


6 dicas práticas para desenhar melhor

A primeira pergunta que sempre surge quando alguém vê meus desenhos é: você fez um curso ou aprendeu sozinho?

Minha resposta é sempre "aprendi sozinho", mas tenha certeza de que esse não é o melhor caminho. Ter um mentor ou professor faz com que o caminho seja mais simples e que você economize muito tempo. Coisas que só fui perceber muitos anos depois de começar a desenhar eram tão básicas que um professor teria facilitado essa percepção em mil vezes no começo da minha jornada.

Mas para quem está começando, as dicas a seguir podem ajudar e muito.

1. Desenho de observação

Fazer desenho de observação é uma das principais dicas que qualquer desenhista com mais experiência irá passar para quem está começando a desenhar. É muito simples: observe algo ou alguém e tente representar no papel. Podem ser pessoas ou objetos, mas o importante é praticar a sua visão e como você pode transformar o que você vê em formas e traços.

Não se apegue a detalhes, apenas represente como conseguir aquilo que você está observando. Existem algumas técnicas para fazer isso que se resumem ao tempo que você vai levar para observar e desenhar. Comece usando 30 segundos para representar o que você vê. Depois aumente para um minuto. Isso vai fazer com que você não fique concentrado em representar detalhes e sim o mais importante que são as formas daquilo que vê.

2. Use referências

Essa dica funciona melhor para quem já praticou por um tempo a primeira dica. Usar referências é algo que profissionais fazem com maior frequência do que você pode imaginar. 

Quando for desenhar um personagem, use referências de posições de alguma foto. Quando quiser desenhar uma roupa específica, procure fotos para ver o caimento do tecido e como ele se comporta no corpo. Quer desenhar um objeto, faça o mesmo.

Não precisa copiar o que vê, apenas observe e tente entender as formas daquilo que vê para ter essa referência na cabeça quando estiver fazendo seu desenho.

3. Ficando sobre os ombros de gigantes

Primeiro vamos entender o que essa frase quer dizer (em tradução livre de texto retirado da Wikipedia):

A metáfora de anões ficando sobre os ombros de gigantes (em latin: nanos gigantum humeris insidentes) expressa o significado de "descobrir a verdade através de descobertas anteriores". Mesmo tendo sua origem traçada ao século 12, atribuída a Bernard of Chartres, é mais popular pela carta de Isaac Newton escrita em 1676:

"Se vi mais longe foi por estar sobre os ombros de gigantes."

Você certamente tem um monte de desenhistas que adora, certo? Então não tenha medo de usá-los como referência para seus desenhos. Muitos falam de criar um "estilo próprio", mas isso é algo que você vai conquistar com o tempo. Enquanto está começando, o importante é sim usar seus ídolos como referência, pois seu "estilo próprio" pode ter um cabelo estilo fulano, um traço estilo beltrano e olhos estilo ciclano, etc.

Não tenha medo de ficar sobre os ombros de gigantes, pois nada se cria tudo se adapta.

4. Diversifique (ou não caia na mesmice)

É muito normal gostarmos de desenhar o personagem ou a cena de uma maneira que já temos confiança. Mas isso não ajuda em nada no processo de aprender. Portanto tente criar cenas bem diferentes com seus personagens. Procure mudar a composição do desenho e usar os planos cinematográficos para diversificar suas ilustrações. 

Faça o desenho do personagem em close, mostrando apenas o rosto de frente, depois faça o mesmo com o rosto de perfil. Tente uma cena mostrando o tronco e os membros superiores. Faça um desenho de corpo inteiro e aproveite para adicionar um cenário. Coloque mais personagens na cena... e assim por diante.

Cada vez que você praticar com planos diferentes, você vai diversificando sua capacidade de criar ilustrações melhores.

5. Divulgue

Mostre seus desenhos para outras pessoas. As críticas podem ser duras as vezes, mas elas são a chave para você saber onde precisa melhorar.

Com a internet ficou muito mais fácil saber a opinião dos outros sobre seus desenhos, mas também ficou mais fácil encontrar pessoas sem noção que apenas vão falar besteira sobre você. Saber diferenciar uma crítica construtiva de apenas outro troll tentando te colocar pra baixo é importante.

O que quero dizer é: não tenha medo de mostrar seus desenhos e de receber críticas construtivas, mas também não desanime se um monte de gente ficar falando mal deles. Entenda que a crítica que você deve levar em conta é aquela que lhe aponta algo que você realmente precisa melhorar.

Não esqueça de não ser orgulhoso, aceite críticas, elas te ajudam e muito!

6. Pratique mais e mais

Essa é a dica mais importante e que engloba todas as outras. Somente a prática constante pode levá-lo a um traço melhor e, com o tempo, atingir aquele patamar que podemos chamar de "estilo próprio". Desenho o tempo inteiro, desenho muito! =)

Portanto pratique muito, faça desenho de observação, use referências para criar, use o que mais gosta de seus artistas preferidos nos seus desenhos, faça desenhos bem diferentes uns dos outros e mostre sua arte para que outros possam te ajudar a melhorar.

Essas são as dicas que tenho por hoje. Se tiver alguma dúvida, ou mais dicas, por favor deixe um comentário abaixo.

Até a próxima!


Só erra quem tenta

Uma pessoa que nunca cometeu erros nunca tentou algo novo.

Albert Einstein


Continue em frente

Se não puder voar, corra. Se não puder correr, ande. Se não puder andar, rasteje, mas continue em frente de qualquer jeito.

Martin Luther King


O empreendedor e os nãos

Empreender não é uma tarefa fácil. É necessário mudar toda a sua vida e trabalhar muito mais do que se estava acostumado, você precisa cuidar da operação, da legislação, do comercial, entre outras áreas do seu negócio. Tem que correr atrás de clientes diariamente e é aí que vai ouvir muitos não, alguns talvez e poucos sim. Lidar com essa quantidade de nãos é algo que precisa ser aprendido. Engolir o orgulho e aceitar essas respostas como aprendizado.

Muito se fala sobre a quantidade de negativas que você irá receber e que elas são parte da construção de um empreendimento e do próprio empreendedor. Você pode achar que vai estar pronto para recebê-los diariamente e que não vai se importar, pois na teoria você sabe que eles irão acontecer. Mas quando a teoria encontra a realidade ela não parece tão fácil quanto anteriormente.

Cada negativa recebida vai sim dar uma boa desanimada no empreendedor, vai minar um pouco a força de vontade dele. Eu acredito que isso é normal, ninguém tem sangue de barata e vai levar os primeiros nãos tão na boa assim, como achamos quando aprendemos isso no campo da teoria. Não é fácil mesmo.

Mas é aí que se separa o joio do trigo. Você vai se desanimar, vai ter uma queda na força de vontade, mas precisa querer dar a volta por cima a cada negativa e a cada desanimo que acontecerá. E é por isso que as negativas fazem parte da construção não só do empreendimento, mas principalmente do empreendedor.

Manter o foco e dar a volta por cima a cada negativa recebida é o principal aprendizado. Como diria meu antigo mestre de arte marcial:

O verdadeiro guerreiro é aquele que, quando perde tudo, logo já está em pé para começar outra vez.


Estruturando aplicações maiores com o microframework Flask

A principal vantagem de se utilizar um microframework para criar um sistema web é a pouca quantidade de "regras" que se precisa seguir no desenvolvimento. O que quero dizer é que se ganha liberdade para escolher o que e como utilizar as facilidades que o framework provém.

Com o advento da liberdade vem a pergunta: qual é o melhor jeito de fazer?

Como de costume, assim que comecei a utilizar o microframework Flask, escrito em Python, segui diversos tutoriais que encontrei na internet para dar os primeiros passos. Fiz alguns sistemas pequenos para aprender e logo vieram as dúvidas. Pesquisando mais e mais percebi que existem diversas maneiras de se estruturar uma aplicação com ele.

E a lição mais interessante que tirei com tudo isso é que deve-se criar seu próprio jeito de fazer as coisas. De acordo com seu background e com seu conhecimento anterior o desenvolvedor vai naturalmente criando seu "estilo" de estruturar seu código e seus sistemas como um todo.

Criando pequenos sistemas não se tem dificuldades com a estrutura, mas a partir do momento que o sistema cresce a coisa muda de figura. Quase todos os tutoriais estilo "hello world" em Flask tem o mesmo formato: um arquivo único que possui todas as chamadas e roda o sistema, como no exemplo abaixo.

from flask import Flask
app = Flask(__name__)

@app.route('/')
def hello_world():
    return 'Hello World!'

if __name__ == '__main__':
    app.run()

É claro que para criar um sistema mais complexo colocar tudo em um arquivo único é uma péssima ideia. Mas esse tipo de exemplo serve para dar a noção de como o framework é simples.

Mas como estruturar um sistema maior? Nesse caso se cria o arquivo que contém as rotas e suas funções, um arquivo que carrega o aplicativo e um arquivo com o mapeamento do banco de dados. Uma estrutura de diretórios mais ou menos como no exemplo abaixo.

/app
 __init__.py
 models.py
 views.py
/run.py

Até aí tudo bem, ainda se tem uma aplicação bem simples. Adicionamos os diretórios de templates, de arquivos estáticos e o arquivo com as configurações e teremos a estrutura padrão de um sistema simples em Flask.

/app
 /static
 /templates
 __init__.py
 models.py
 views.py
/config.py
/run.py

Ficou um pouquinho mais complexo, mas ainda segue o padrão de tutoriais básicos de utilização do Flask.

Nesse caso, todas as rotas que o sistema terá ficarão em apenas um único arquivo. Pode-se imaginar que isso não é uma boa ideia no caso de sistemas mais complexos, correto?

Basta imaginar a quantidade de linhas que o arquivo views.py pode atingir... a manutenção e o entendimento dele ficarão mais difíceis. Sabe-se que, principalmente para scripts Python, isso não é a melhor opção, pois a ideia é que o código seja simples e legível.

É aí que entram os Blueprints.

Blueprints

Existem diversas formas de utilizar Blueprints no Flask, mas eu basicamente tenho utilizado como aprendi com um vídeo de Miguel Grinberg para a PyCon 2014 (se não me engano): uma forma de separar e modularizar as rotas do aplicativo.

Funciona da seguinte maneira. Em vez de termos um arquivo para todas as rotas do sistema, modularizamos as rotas utilizando arquivos separados e registrando Blueprints para cada um deles.

Em uma tradução livre da documentação do Flask:

Um Blueprint funciona de forma parecida com o objeto de aplicação do Flask, mas não é a mesma coisa. Poderiam ser criadas várias aplicações separadas, mas elas não compartilhariam as mesmas configurações e seriam tratadas na camada WSGI e não na camada do Flask. Já os Blueprints compartilham as mesmas configurações e são uma forma de separar funções dentro da mesma aplicação.

Como eu uso os Blueprints

Para cada módulo que defino no sistema eu crio um arquivo e registro seu Blueprint, como no exemplo abaixo, que simula o arquivo meumodulo.py.

from flask import Blueprint, render_template

meumodulo = Blueprint('meumodulo', __name__, template_folder='templates')

@meumodulo.route('/')
def index(page):
    return render_template('index.html')

Dessa maneira eu crio todas as rotas desse "módulo" específico. Para registrar o Blueprint é preciso adicionar a linha abaixo no arquivo __init__.py, depois de inicializar o objeto app do Flask.

from .meumodulo import meumodulo
app.register_blueprint(meumodulo)

Se quiser que o novo módulo tenha um prefixo para todas as suas rotas, basta adicionar url_prefix ao registro do Blueprint.

app.register_blueprint(meumodulo, url_prefix='/modulo')

Já começamos a deixar tudo mais organizado, pelo menos no que diz respeito às rotas. E com isso podemos ter a seguinte estrutura de diretórios.

/app
 /static
 /templates
 __init__.py
 meumodulo.py
 models.py
 outromodulo.py
/config.py
/run.py

Evitando dependências circulares

Para evitar dependências circulares, podemos criar uma função que registre os Blueprints e a chamamos ao final do arquivo __init__.py, como mostra o exemplo abaixo.

def register_blueprints(app):
    from .meumodulo import meumodulo from .outromodulo import outromodulo
    app.register_blueprint(meumodulo, url_prefix='/modulo') app.register_blueprint(outromodulo, url_prefix='/outromodulo') register_blueprints(app)

Conclusão

Depois de tudo isso, ainda utilizo uma extensão do Flask chamada Flask-Script para criar um arquivo manager.py no lugar do arquivo run.py. Mas vou explicar melhor sobre isso em uma post futuro.

Essas são apenas algumas dicas que mostram como eu tenho utilizado o microframework Flask para alguns dos meus projetos. Sou relativamente novo com Python e com Flask e por isso tenho certeza de que no futuro terei descoberto novas formas de estruturar os sistemas maiores que farei, mas por enquanto essas são as dicas que tenho para dar para quem se encontra na mesma situação de estudante que eu. Espero poder ter ajudado.

Qualquer dúvida ou sugestão, por favor deixe seu comentário abaixo que responderei sempre que possível.

Atá a próxima.


O mundo perfeito das escolhas não feitas

Quando se toma uma decisão grande, que muda sua vida, é sempre muito fácil imaginar o que poderia ser de você se não a tivesse feito. O mundo das fantasias que reside dentro das nossas cabeças sempre consegue conectar todas as possibilidades mais otimistas e tenta te mostrar como teria sido melhor seguir outro caminho. Ele nos faz imaginar que tudo estaria muito melhor e talvez até que seria muito mais fácil e positivo ter seguido a outra opção.

Mas não se deixe enganar. Obstáculos sempre vão existir, não importa a opção que você escolheu. Então o melhor é se concentrar em ultrapassá-los e não em tentar imaginar como seria se você tivesse feito outra escolha. As decisões que virão serão sempre as mais importantes e não aquelas que já foram feitas, pois somente elas poderão mudar algo na sua situação atual.

Apesar de ser muito difícil pensar desta maneira, devemos saber que a cada obstáculo aprendemos mais e mais e que eles são fonte de conhecimento e experiência de vida. As escolhas feitas formaram quem você é hoje. Portanto devemos erguer a cabeça, pensar que os anos passam e cada desafio que vem com eles nos faz melhor e nos concentrarmos no que temos hoje e no que faremos no futuro, sempre lembrando da máxima que mais me marcou quando assisti ao filme Kung Fu Panda:

O passado é história, o futuro é mistério, o agora é uma dádiva e por isso se chama presente


Tutorial - Exercícios com o bico-de-pena


Carregar mais posts