em Tecnologia

Nem Machine Learning e Processamento de Linguagem Natural

Todo mundo que trabalha com desenvolvimento de software sabe que, cada vez mais, existem as “expressões do momento” no mercado. É por isso que eu adoro o texto Hype Driven Development

Uma das mais faladas “expressões do momento” é a inteligência artificial. Ela está em todo lugar, em todas as matérias nas mídias e diversos artigos acadêmicos e começou a ficar extremamente popular no último ano.

Cuidado! Inteligência artificial vai roubar seu emprego!

Depois que o Facebook resolveu liberar os chatbots para sua plataforma de mensagens, chatbot também virou uma expressão do momento. Eu mesmo gostava do assunto antes, mas a partir do ano passado comecei a estudar e aprender ainda mais sobre esse tipo de software.

A partir daí todo lugar onde se vê a palavra chatbot também se vê inteligência artificial. É uma questão bem óbvia, afinal para um robô falar com um humano, ele precisa ter o mínimo de inteligência…

Mas será mesmo que preciso saber criar inteligência artificial para criar um chatbot?

Citando um ótimo texto do Caio Calado que explica o que são chatbots:

Chatbots são serviços baseados em regras e (às vezes) inteligência artificial, onde você pode conversar e interagir através de aplicações/aplicativos de mensagens.

A parte importante dessa citação são as palavras entre parênteses: às vezes.

Como ele explica no texto, existem dois tipos de chatbots. Os baseados em regras e os baseados em inteligência artificial. A maioria dos bots que encontramos por aí é puramente baseado em regras e eles não são ruins por causa disso.

As plataformas de mensagens oferecem diversas maneiras para que o usuário posso interagir com o bot. São botões, listas com links, webviews que abrem uma página externa, etc. Utilizando essas interações fica muito fácil saber o que o usuário quer fazer, sem necessidade de inteligência artificial.

Você não precisa fazer com que o bot tenha um entendimento profundo da lingua portuguesa e entenda cada detalhe de tudo que o usuário está falando para que ele cumpra o que propõe.

Um bot tem que ter uma naturalidade na interação, mas isso depende muito mais do design da conversação do que de inteligência artificial.

Um chatbot é um software. A tecnologia que você vai usar no seu desenvolvimento precisa ser compatível com as necessidades das funcionalidades dele.

Machine Learning, Processamento de Linguagem Natural (NLP) e Inteligência Artificial (AI) são importantes para os mais diversos tipos de aplicações, mas para aquelas que realmente necessitam dessas tecnologias.

Se o bot precisa aprender com dados e interações para melhor atender o usuário e cumprir o objetivo proposto, então Machine Learning é necessário. Se ele precisa classificar textos que o usuário venha a enviar, você vai precisar de NLP… e assim por diante.

Agora se ele fala informações sobre o clima, não precisa ser “inteligente” para bater papo com o usuário ou aprender com as interações. Afinal o objetivo dele é previsão do tempo! Ele só precisa saber onde o usuário está ou de onde ele quer saber a previsão.

Outro grande problema desse hype todo é que essas expressões técnicas assustam quem não conhece e podem acabar afastando pessoas interessadas na construção de chatbots por acharem que é um impeditivo não saber essas tecnologias.

O hype é algo que sempre existirá, mas não devemos nos guiar por ele. Pense no objetivo que o seu chatbot terá e nas funcionalidades que serão necessárias para atingí-lo. Se ele realmente precisar de Inteligência Artificial, então pare de ler e vá estudar matemática agora!

Publicado originalmente no Medium.